segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

O relato da Morte de Cristo, do ponto de vista de um médico francês.






Sou um cirurgião, e dou aulas  há algum tempo.


  Por treze anos vivi em companhia de cadáveres e durante a minha carreira estudei anatomia a fundo.
Posso portanto escrever sem presunção a respeito de morte como aquela.
Jesus entrou em agonia no Getsemani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra’.
  O único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas. E o faz com a precisão de um clínico. O suar sangue, ou “hematidrose”, é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais: para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo. O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus. Tal tensão extrema produz o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas, o sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra.
Conhecemos a farsa do processo preparado pelo Sinédrio hebraico, o envio de Jesus a Pilatos e o desempate entre o procurador romano e Herodes. Pilatos cede, e então ordena a flagelação de Jesus. Os soldados despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos.
  Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor. As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue. Depois o escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar (os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo). Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem dilacerado à multidão feroz, o entrega para ser crucificado. Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da Cruz; pesa uns cinqüenta quilos. A estaca vertical já está plantada sobre o Calvário. Jesus caminha com os pés descalços pelas ruas de terreno irregular, cheias de pedregulhos. Os soldados o puxam com as cordas. O percurso, é de cerca de 600 metros. Jesus, fatigado, arrasta um pé após o outro, freqüentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas. Quando ele cai por terra, a viga lhe escapa, escorrega, e lhe esfola o dorso.
Sobre o Calvário tem início a crucificação. Os carrascos despojam o condenado, mas a sua túnica está colada nas chagas e tirá-la produz dor atroz. Quem já tirou uma atadura de gaze de uma grande ferida percebe do que se trata. Cada fio de tecido adere à carne viva: ao levarem a túnica, se laceram as terminações nervosas postas em descoberto pelas chagas. Os carrascos dão um puxão violento. Há um risco de toda aquela dor provocar uma síncope, mas ainda não é o fim.
O sangue começa a escorrer. Jesus é deitado de costas, as suas chagas se incrustam de pé e pedregulhos. Depositam-no sobre o braço horizontal da cruz. Os algozes tomam as medidas. Com uma broca, é feito um furo na madeira para facilitar a penetração dos pregos. Os carrascos pegam um prego (um longo prego pontudo e quadrado), apoiam-no sobre o pulso de Jesus, com um golpe certeiro de martelo o plantam e o rebatem sobre a madeira. Jesus deve ter contraído o rosto assustadoramente. O nervo mediano foi lesado. Pode-se imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor lancinante, agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro. A dor mais insuportável que um homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos: provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte: a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego: quando o corpo for suspenso na cruz, o nervo se esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas.
O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava; elevam Jesus, colocando-o primeiro sentado e depois em pé; conseqüentemente fazendo-o tombar para trás, o encostam na estaca vertical. Depois rapidamente encaixam o braço horizontal da cruz sobre a estaca vertical. Os ombros da vítima esfregam dolorosamente sobre a madeira áspera. As pontas cortantes da grande coroa de espinhos penetram o crânio. A cabeça de Jesus inclina-se para frente, uma vez que o diâmetro da coroa o impede de apoiar-se na madeira.
Cada vez que o mártir levanta a cabeça, recomeçam pontadas agudas de dor. Pregam-lhe os pés. Ao meio-dia Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe queima, mas ele não pode engolir. Tem sede. Um soldado lhe estende sobre a ponta de uma vara, uma esponja embebida em bebida ácida, em uso entre os militares. Tudo aquilo é uma tortura atroz. Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enrijecem em uma contração que vai se acentuando: os deltóides, os bíceps esticados e levantados, os dedos, se curvam. É como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam tetania, quando os sintomas se generalizam: os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis, em seguida aqueles entre as costelas, os do pescoço, e os respiratórios. A respiração se faz, pouco a pouco mais curta. O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianítico.
Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem mais esvaziar-se. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita.
Mas o que acontece? Lentamente com um esforço sobre-humano, Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços. Os músculos do tórax se distendem. A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial.
Por que este esforço? Porque Jesus quer falar: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”.
Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo, e a asfixia recomeça. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por ele na cruz: cada vez que quer falar, deverá elevar-se tendo como apoio o prego dos pés. Inimaginável!
Atraídas pelo sangue que ainda escorre e pelo coagulado, enxames de moscas zunem ao redor do seu corpo, mas ele não pode enxotá-las. Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde, depois de uma tortura que dura três horas. Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?”.
Jesus grita: “Tudo está consumado!”. Em seguida num grande brado diz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. E morre. Em meu lugar e no seu.
Dr. Barbet, médico francês.
Fonte: Portal padom.





domingo, 13 de fevereiro de 2011

CRESCENDO ATRAVÉS DAS BATALHAS VENCENDO EM ADORAÇÃO.

Deus busca o homem para ter comunhão, mesmo porque esse mesmo homem foi criado para o louvor da glória de Deus. A bíblia relata em (gê 3:8) E ouviram a voz do SENHOR Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do SENHOR Deus, entre as árvores do jardim. Veja que o Senhor buscava Adão e Eva para ter comunhão profunda. O relato mais sublime da parte de Deus na busca pelo homem, busca essa que revela graça, esta registrado em ( Lucas 1:31-35) Quando o anjo Gabriel visita Maria; E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus.Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará trono de Davi, seu pai;E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus. Através do Senhor Jesus podemos desfrutar de uma comunhão profunda e verdadeira com o pai, Deus já providenciou esse suprimento em Cristo Jesus. Como posso andar em comunhão, vencendo as batalhas e crescendo em Deus? A bíblia conta em II crônicas 20 que os moabítas e os amonitas com eles alguns dos meunitas vieram contra Jeosafá para lhe fazerem guerra. Jeosafá teve medo, e pôs-se a buscar ao Senhor, e apregoou jejum em todo o Judá. Deus respondeu dizendo: Nesta batalha não tereis que pelejar; postai-vos, ficai parados e vede o livramento que o Senhor vos concederá, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã saí-lhes ao encontro, porque o Senhor está convosco. O segredo da vitoría se encontra no versículo 18 quando Então Jeosafá se prostrou com o rosto em terra; e todo o Judá e os moradores de Jerusalém se lançaram perante o Senhor, para o adorarem. Eles se entregaram totalmente ao Senhor em uma atitude de adoração, desfrutando da presença direção e livramento, veja que a adoração nos conduz a uma dependência total de Deus. O inimigo se alto destruiu Pois os homens de Amom e de Moabe se levantaram contra os moradores do monte Seir, para os destruir e exterminar; e, acabando eles com os moradores do monte Se ir, ajudaram a destruir-se uns aos outros. A adoração é uma arma poderosa de batalha, ela nos deixa em uma posição onde ficamos totalmente entregues a Deus adoração move a mão sobre natural de Deus,( Mateus capitulo 4: 9- 11) retrata muito bem esse fato na tentação de Jesus, quando satanaz renvidicou adoração, então o Senhor Jesus repreendeu satanaz, e adorou o Pai.Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviam. Que você entenda que Deus esta desejoso de revelar sua intimidade, não temas as batalhas que você tem enfrentado, é justamente onde você esta agora que Deus te procura, se deixe achar, Deus vai te levar para um nivél mais profundo onde você será mais intimo de Deus.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

JESUS ALIMENTO DIVINO, MENSAGEM PREGADA NA PASSAGEM DE ANO 2010 PARA 2011 NA COMUNIDADE BATISTA ROCHA ETERNA.


A minha comida é fazer a vontade do Pai E
Enquanto isso, os discípulos pediam a Jesus: - Mestre, coma alguma coisa! Jesus respondeu: - Eu tenho para comer uma comida que vocês não conhecem. Então os discípulos começaram a perguntar uns aos outros: - Será que alguém já trouxe comida para ele? - A minha comida - disse Jesus - é fazer a vontade daquele que me enviou e terminar o trabalho que ele me deu para fazer. Vocês costumam dizer: "Daqui a quatro meses teremos a colheita." Mas olhem e vejam bem os campos: o que foi plantado já está maduro e pronto para a colheita. Quem colhe recebe o seu salário, e o resultado do seu trabalho é a vida eterna para as pessoas. E assim tanto o que semeia como o que colhe se alegrarão juntos. Porque é verdade o que dizem: "Um semeia, e outro colhe." Eu mandei vocês colherem onde não trabalharam; outros trabalharam ali, e vocês aproveitaram o trabalho deles. Procuremos, também nós, sentir a responsabilidade assumida, como seguidores de Jesus e realizar nossas pequeninas obras de acordo com a vontade do Pai e o desejo do Mestre.( JOÃO 4.31-3)

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

QUANDO O EVANGELHO SIMPLES É PREGADO ACONTECE SINAIS E PRODIGIOS.


E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.
E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;
Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão.
Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus.
E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém. (mc 16:15-20)

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A MISSÃO DA IGREJA

E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando toda sorte de doenças e enfermidades.
Mateus 9:35
Ensinar

Jesus fazia três coisas: ensinava, pregava o evangelho do reino e curava. O ensino deve estar presente na vida de todo discípulo. Como podemos ensinar se não somos ensinados? Por isso, todo discípulo é, primeiramente, ensinável através de seu líder discipulador e também pela palavra, na qual medita de dia e de noite. Hoje as pessoas estão cheias de conceitos, o mundo está cheio de filosofias humana e religiosas.

Se não estivermos preparados, não poderemos ensiná-las. Jesus ensinava porque era Mestre. Temos que ser mestres na palavra. Ser mestre, porém, não se resume a conhecimento, mas prática da palavra. Jesus ensinava com autoridade porque não o fazia como os fariseus (Mt.7:28,29). Ele tinha autoridade porque vivia o que falava e falava o que vivia. Seu ensino era coerente.

Pregar o evangelho do reino

Jesus também pregava o evangelho do reino. Ele não pregava o evangelho do homem, mas do reino. É o evangelho que centraliza Deus e não o homem. Hoje existe um pseudo-evangelho, aquele que centraliza o homem, que faz tudo girar em torno dele. Cuidado com o falso ensino! Pregar o evangelho do reino não é fácil, as pessoas geralmente não se interessam por ele.

Tem que ser na unção, no sobrenatural. O evangelho do reino fala de aliança, de mudança de caráter, de submissão absoluta ao Deus Criador. Quando Jesus, certa vez, começou a falar de comer Sua carne e beber Seu sangue (aliança), muitos discípulos se afastaram e já não andavam mais com Ele (Jo.6:41-66). O evangelho do reino é desafiador, é cruz, é entrega, é sair da zona de conforto e entrar na zona de confronto. Tudo porque o fim é Ele, a glória é dEle e não do homem.

Curar os enfermos

Ele também curava toda a sorte de doenças e enfermidades. Jesus curava como demonstração do amor de Deus, que não discrimina ninguém, que está sempre pronto a abençoar a todos. Ele nunca rejeitou ninguém! A cura dos enfermos faz parte do ministério de todo discípulo, de todo que é enviado. Somos enviados para orar pelos enfermos e curá-los em nome de Jesus. Ele disse que este seria um dos sinais que acompanhariam os que cressem: imporiam as mãos sobre os enfermos e ficariam curados (Mc.16:18). O evangelho é completo: é cura do espírito, alma e corpo.

Não podemos enfatizar uma parte do evangelho e desprezar outra. Cura do espírito vem pela pregação do evangelho do reino; cura da alma vem pelo ensino da palavra; e cura do corpo vem pela oração da fé!

Como posso ter certeza de que eu vou para o Céu quando morrer?


Você sabe com certeza que você tem vida eterna e que você vai para o Céu quando morrer? Deus quer que você tenha certeza disso! A Bíblia diz: “Estas coisas vos escrevi, a fim de saberdes que tendes a vida eterna” (1 João 5:13). Suponha que você estivesse na frente de Deus neste exato momento e Ele lhe perguntasse: “Por que eu deixaria você entrar?” O que você diria? Você pode não saber o que responder. O que você precisa saber é que Deus nos ama e providenciou para nós uma forma para que pudéssemos saber com certeza onde vamos passar a eternidade. A Bíblia afirma isto assim: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16). Em primeiro lugar, precisamos entender o que está nos mantendo afastados do Céu. O problema é este – nossa natureza pecaminosa nos impede de ter um relacionamento com Deus. Nós somos pecadores por natureza e por escolha. “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3:23). Nós não podemos salvar a nós mesmos. “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8-9). Nós merecemos a morte e o inferno. “Porque o salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23). Deus é santo e justo e deve punir o pecado, mas ainda assim Ele nos ama e providenciou perdão para o nosso pecado. Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6). Jesus morreu por nós na cruz: “Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus” (1 Pedro 3:18). Jesus foi ressuscitado dos mortos: “O qual foi entregue por causa das nossas transgressões e ressuscitou por causa da nossa justificação” (Romanos 4:25). Então, de volta à questão inicial - “Como posso ter certeza de que eu vou para o Céu quando morrer?” A resposta é – acredite no Senhor Jesus Cristo e você será salvo (Atos 16:31). “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus” (João 1:12) Você pode receber a vida eterna como um dom GRATUITO. “Mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). Você pode ter uma vida cheia de significado agora mesmo. Jesus disse: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância” (João 10:10). Você pode passar a eternidade com Jesus no Céu, pois Ele prometeu: “E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde estou, estejais vós também” (João 14:3). Se você quer aceitar Jesus como seu Salvador e receber o perdão de Deus, aqui está uma oração que você pode fazer. Fazer esta oração ou qualquer outra não irá salvar você. É apenas confiando em Jesus Cristo que se recebe perdão dos pecados. Esta oração é simplesmente uma forma de expressar a Deus a sua fé Nele e agradecer por providenciar o seu perdão. “Deus, eu sei que pequei contra Ti e mereço punição. Mas Jesus Cristo tomou sobre Si a punição que eu mereço para que através da fé Nele eu pudesse ser perdoado. Eu me volto contra o meu pecado e ponho a minha confiança em Ti para salvação. Obrigado por Tua graça e perdão maravilhosos! Amém!” Fonte O Peregrino.